Resenha – Time Lapse

time_lapse_00

“Um casal e seu melhor amigo moram juntos em um condomínio e descobrem na residência vizinha uma misteriosa máquina fotográfica gigante que fotografa o futuro 24 horas adiante. Juntos, resolvem utilizar essa máquina para benefícios pessoais e tem de lidar com as consequências disso.”

Em Time Lapse, filme de estreia de Bradley King como diretor, vemos a bastante explorada premissa de manipulação do tempo abordada de forma original, através de uma máquina fotográfica que revela fotos de 24 horas à frente, sempre às 08hs da noite.

O filme gira em torno do casal Finn (Matt O’Leary) e Callie (Danielle Panabaker), que junto com seu amigo Jasper (George Finn) dividem um apartamento em um condomínio. Nesse condomínio, Finn trabalha como zelador, e um dia ao entrar no apartamento de seu vizinho o encontra morto, juntamente com algo mais surpreendente ainda: presa no chão está uma câmera que tira fotos do futuro, e uma parede forrada de fotos do apartamento deles.

time_lapse_02

Jasper se utiliza desse artifício para apostar em corridas de cachorro e ganhar dinheiro fácil, enquanto Finn, que é um artista frustrado, usa para ver como ficam seus quadros no futuro e se inspirar. Com o passar do tempo, o trio tem de lidar com consequências sérias que começam a surgir devido ao uso da câmera.

O filme começa muito bem, com uma ideia boa que prende a atenção dos espectadores, porém com o decorrer do filme vamos encontrando muitos furos no roteiro. Um exemplo: Por que apostar em corridas de cachorro, que envolvem intermediários que podem desconfiar de quem ganha sempre e que não rende tanto dinheiro, ao invés de apostar na loteria? Por que não ver quais ações da bolsa vão valorizar e comprá-las antes? Pareceu apenas um pretexto fraco para que o trio entrasse em apuros.

time_lapse_03

Outro problema é o fato de o trio apenas imaginar que o antigo dono da câmera faleceu por causa da câmera, e se forçarem a ficarem na mesma situação que a foto exibe um dia antes para não morrerem.

O desfecho, cuja ideia principal é boa, tem uma execução e justificativas ruins e recebemos um plot twist de baixa qualidade.

O filme se passa praticamente inteiro ou no apartamento dos protagonistas, ou no apartamento do vizinho, porém essa limitação de ambientes não é prejudicial ao filme.

Os atores, apesar de pouco conhecidos, não comprometem na atuação. Às vezes vemos algumas reações dos personagens que não condizem com a situação, mas mais por falha de roteiro e direção do que atuação. Também encontramos alguns diálogos rasos e sem nexo.

No geral, é um filme de mediano para fraco que tem uma premissa boa e desfecho e execução que decepcionam e não fazem jus à boa ideia apresentada no início.

time_lapse
Ficha Técnica:

Título: Time Lapse
Ano produção: 2014
Dirigido por: Bradley King
Duração: 104 minutos
Gênero: Ficção Científica, Suspense
País de Origem: Estados Unidos
Elenco: Danielle Panabaker, Matt O’Leary, George Finn, John Rhys-Davies, Amin Joseph, Jason Spisak, David Figlioli, Sharon Maughan, Judith Drake

 

Bruno Audi

Bruno Audi

Criador de trocadilhos e piadas ruins. Terceira pessoa mais sem graça do Brasil. Podcaster no Los Chicos, viciado em games e filmes de terror. Pretendo estar vivo até o final de One Piece e Game of Thrones.
Bruno Audi
  • Coreano Virtual

    Se não viu o filme não leia este comentário. Seu Bezerides fotografa com uma ou duas semanas de antecedência. Ele vê na foto seu chapéu, mancha de sangue na janela e o desenho com um cilindro que ele tem num outro quarto dele. Pensando que a mancha é dele, ele vai até o quarto procurar o cilindro e sofre um acidente e morre. A Callie descobre que a máquina tira uma foto diária e outra noturna. Ela escreve seus bilhetes por saber o que vai acontecer vendo as fotos noturnas. Quando Finn chega com a mala pronta para partir ela deveria ter mostrado a ele a foto noturna com as fitas da polícia, mas preferiu trocar esta por outra, para causar ciúmes. Jasper nunca tinha visto esta foto, e nenhuma das outras, feitas em noites de bebedeiras e drogas. O Finn, que também não era nenhum inocente, desenha o cilindro para atrair seu Bezerides para o quarto, pois precisa da chave que está no bolso dele. Quando termina o desenho, ele fica intrigado, pois Jasper já está morto, mas ele não está vendo a mancha de sangue na janela. Depois Callie ainda achou que poderia mudar a foto com as fitas da polícia enviando outro bilhete para ela mesma na foto noturna, somente por estar confusa…